quarta-feira, 15 de setembro de 2010

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA ESTÁ LONGE DE ATENDER DEMANDAS

Para uma pessoa saudável são apenas alguns minutos para um cadastro e a retirada de uma amostra de sangue. Para quem aguarda por um transplante é a possibilidade do fim da espera, a esperança de cura. Esperança para pessoas como Matheus Corrêa, 5 anos de idade, que há quase três meses vive uma batalha contra o câncer.

Matheus foi diagnosticado com leucemia mieloide, do sub-tipo 5, um dos mais graves da doença. Ele reage bem ao tratamento, mas precisa encontrar um doador compatível para tentar se livrar de vez da doença. Assim como Matheus, milhares de pessoas também alimentam a esperança de encontrar um doador.

Para ajudar pessoas nessa situação foi criado o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), gerenciado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca). Ele concentra os registros dos doadores voluntários de medula óssea. No Pará, o Hemopa já faz a coleta e cadastro de doadores há oito anos.

Ser um doador voluntário de medula é simples e não representa nenhum perigo para o doador. É necessário apenas preencher um cadastro com dados pessoais e fazer coleta de uma amostra de sangue. A partir daí é feita uma tipagem do sangue e o resultado é encaminhado para o Redome. Caso haja algum paciente compatível, o doador é chamado para fazer novos exames que irão verificar se o transplante será possível.

Ana Luiza Meireles, responsável técnica pelo Banco de Cordão Umbilical do Hemopa, explica os requisitos para se tornar um doador voluntário de medula óssea. “Basta ter entre 18 e 55 anos e boa saúde”. Os interessados devem se dirigir até a sede do Hemopa para fazer o cadastro. Atualmente, aproximadamente 33 mil pessoas no Pará já estão cadastradas.


O Pará tem o seu Dia Estadual do Doador Voluntário de Medula Óssea, celebrado, anualmente, em 6 de outubro, projeto de iniciativa da deutada Josefina Carmo (PMDB). O projeto foi aprovado pela Assembléia Legislativa, em abril do ano passado, e sancionado pela governadora do Pará. Mas as dificuldades vividas pelos pacientes citados acima, entre tantos, confirmam que, apesar da iniciativa da deputada paraense, o Pará ainda precisa fazer muito para oferecer serviços de saúde de qualidade à população.

Para ler mais, www.diariodopara.com.br e www.josefinacarmo.blogspot.com

Um comentário:

Ministério da Saúde disse...

Os transplantes de medula óssea cresceram 57,51% nos últimos sete anos. Seja um doador voluntário e faça esse número aumentar. Saiba como ser um doador de medula. É simples, rápido e não dói.

Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br ou http://www.formspring.me/minsaude