quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

COM FÁBRICA PARADA, TRABALHADORES DA ITACIMPASA TEMEM O PIOR

Sem energia elétrica, a fábrica também está sem coque, o combustível usado em seus fornos. Sem trabalhar, trabalhadores temem o desemprego

O quadro geral na Itacimpasa, no município de Itaituba, parece ser ainda mais grave, infelizmente.

Não é apenas energia elétrica que falta à empresa para ela voltar a produzir cimento - o fornecimento foi suspenso pela Celpa na quinta-feira passada (11/01). Falta-lhe também o coque, um subproduto derivado de carvão betuminoso, que é o combustível usado em seus fornos. E não há previsão de chegada do produto.

Desde que teve o fornecimento de energia elétrica cortado pela Celpa, na última quinta-feira (11/01), a geração própria de energia elétrica que abastece seu escritório e a vila da Itacimpasa, onde mora parte de seus trabalhadores, está sob racionamento: funciona no horário de 18:00 às 8:00.

Ontem, o único ônibus da empresa ainda em operação quebrou a barra de direção na altura do km 17. Por sorte, estava em um trecho plano da estrada. Felizmente, ninguém se feriu.

Seus quase 500 trabalhadores temem pelo pior: o desemprego. Em Manaus, a fábrica Itautinga também segue paralisada. Em março do ano passado, a Itapissuma, outra fábrica do grupo João Santos, localizada no município de Fronteiras, no sul do Piauí, paralisou suas atividades e demitiu cerca de 500 trabalhadores.

Até agora, a direção da empresa ainda não emitiu nenhum comunicado sobre o problema.

Um comentário:

Eulison Bentes Leite disse...

Muito estranho essa crise na Itacimpasa, a empresa sempre produziu e sempre vendeu seu produto a vista! Nada justifica essa falência, a não ser que seja algo muito bem planejado. Seria bom o Ministério Público investigar essa suposta falência.